A mãe Juliana do blog Turistando.in

Juliana conta como é viajar com seu companheiro e seu filho, que gosta de ficar em Hostels!

1. Olá, Juliana. Nunca pensou criar um blog nem que sua vida fosse escrever, não é verdade? Conte-nos mais como surgiu o blog.

Eu queria ser escritora quando eu era criança. Cheguei inclusive a escrever um livro de fadas para a escola(risos). Antes mesmo de criar o blog Turistando.in, eu já escrevia sobre minhas viagens. Morei por 6 meses na Itália e, naquela época, escrevia longos e-mails coletivos a amigos e parentes contando minhas aventuras na velha bota.

Anos depois, eu e o Thiago decidimos fazer um mochilão pelo Peru e usamos o Forum Mochileiros para montar nosso roteiro. Em retribuição, escrevi um longo post sobre a viagem e tive um feedback bem legal. No ano seguinte decidi criar o blog.

2. Como tem sido partir nesta aventura com seu companheiro Thiago?

Primeira viagem juntos

Tem sido ótimo e descobri nele um grande companheiro de vida. Nossa primeira grande viagem juntos foi para a Argentina em 2006. Era também a nossa primeira vez fora do país. A viagem durou 15 dias e ao contrário do que imaginávamos, nos demos muito bem juntos. Depois disso fizemos muitas viagens e com os anos, percebemos que começamos a nos adaptar e a moldar nossa viagem conforme os nossos gostos. Eu, por exemplo, comecei a curtir mais museus e ele começou a curtir minha curiosidade em desbravar uma cidade caminhando com um mapa nas mãos.

Agora com o pequeno, tivemos que moldar a viagem para ele. Ficamos mais tempo em uma cidade (foram 12 dias em Santiago), fazemos menos bate e volta e começamos a incluir atividades que o agradasse (como Zoos, Museus infantis interativos, parques abertos, playground e etc).

3. Vi que ainda não explorou o continente africano nem asiático. Está nos seus futuros planos?

Temos vontade, claro, mas confesso que, quando eu e o Thiago pensamos em nossa próxima viagem, os primeiros países que aparecem em nossa lista ou são europeus ou são latino-americanos. São tantos lugares que queremos conhecer e ainda não tivemos a oportunidade....

4. Normalmente fica hospedada em hostels ou acomodações mais baratas? Qual a sua opinião sobre isto?

Foram poucas as viagens que nos hospedamos em hotéis e um dos motivos, claro, é que sempre procuramos uma hospedagem mais barata.

Porém, como nos hospedamos em quarto privativo (principalmente agora com nosso filho), muita das vezes o valor acaba sendo igual ou mais caro que alguns hotéis simples de pouca estrela (ou até mesmo um hotel de rede).

O que nos faz ainda assim preferir o hostel é a possibilidade de usar a cozinha e conhecer pessoas. Sempre que visitamos um país ou cidade diferente, procuramos comer em algum local típico, mas dependendo da quantidade de dias que ficamos, para economizar, jantamos no hostel.

Prefiro preparar um bom macarrão e comê-lo degustando um bom vinho do que comer lanche com frios no quarto do hotel (o que muita gente faz para economizar).

Sem contar que em hostel você acaba fazendo amizades. Tenho muitas histórias engraçadas. Uma delas ocorreu em Buenos Aires. Eu estava preparando uma macarronada com massa fresca. Enquanto eu cozinhava, um rapaz francês nos perguntou se aceitávamos comer com ele. Nós tínhamos uma macarronada e uma garrafa de vinho e ele tinha um pedaço de cordeiro assado e outra garrafa de vinho.

No final das contas, ainda abrimos uma outra garrafa e nos divertimos muito. No dia seguinte, ainda com a ressaca forte da noite seguinte, quem tomou café conosco foi um casal de ingleses com seus 2 filhos pequenos. Eu olhava aquelas crianças se comunicando conosco sem os pais por perto e pensava: quando eu crescer, quero criar meu filho assim.

Estou tentando!

Leonardo em um Hostel

5. Em 2014, nasceu seu primeiro filho... Como tem sido viajar com ele? É dificil conciliar o blog e ser mãe ao mesmo tempo?

É mais difícil precisar trabalhar (sou professora de italiano), pois consigo me virar bem sendo mãe e blogger (e eu não sou mãe que terceirizo a criação/educação do meu filho), mas tenho sorte do Thiago também ter uma vida light como a minha e revezamos os cuidados com o Léo.

No entanto, viajar com ele tem sido uma experiência maravilhosa!

Confesso que chegamos a pensar que seríamos obrigados a aposentar nossas mochilas e comprar um carro familiar e fazer viagens de família! Começamos um pouco assim. Quando o Leo completou 4 meses, fomos para Gramado. Ficamos em uma pousada e confesso que a única importância daquela viagem foi aprender a viajar com um bebê. Estava muito calor e mal curtimos a cidade.

Meses depois, surgiu um congresso em Rosário, na Argentina e fomos. Foi a primeira vez que ficamos com ele em um hostel. Tivemos problemas (reservamos um quarto com banheiro privativo, mas o banheiro ficava do lado de fora do quarto, entre outras questões), mas num panorama geral, havia dado muito certo. Ele não chorou e nem incomodou os outros mochileiros.

Aquela viagem foi um preparativo para algo ainda maior: quando o Léo completou 1 ano, surgiu a oportunidade de morarmos por 3 meses na Alemanha.

A viagem em si foi fácil, pois já tínhamos viajado com ele antes e fomos preparados. Ele não mamava mais no peito, mas levei mamadeira, fórmula, papinha, chupeta e brinquedinhos para o voo. Tudo o que pudesse entretê-lo e não perturbar os outros passageiros. E deu certo!

Durante esses 3 meses, fizemos pequenas viagens, mas antes de ir embora, resolvemos fazer um breve mochilão por 4 países da Europa Central: Praga, Bratislava, Viena e Budapeste. Era inverno, nevava em alguns pontos e mesmo assim, deu muito certo. Circulávamos pela cidade com ele no carrinho de bebê (protegido com uma capa contravento) e fazíamos pausas frequentes em cafés ou museus, para deixá-lo caminhar um pouco.

Como ele era muito pequeno, dormia com muito mais frequência que hoje e não implorava por caminhar. Semestre passado, quando fomos ao Chile, tivemos que pensar nele. Deixamos os 16 dias apenas para Santiago, Viña e Valparaiso. Não fizemos nenhum bate e volta, incluímos atividades infantis e mesmo assim, ficamos de molho no hostel um dia inteiro, pois ele passou mal!

E em todas essas cidades ficamos em hostel. O único problema foi ter que entrar em contato antes de reservar, para saber se eles aceitavam crianças.

Em Berlim

6. O que é que diferencia o seu blog dos outros?

Cada blogger tem o seu modo de detalhar suas viagens. Eu tento relatar minha experiência vivida e a opinar sobre os locais que visitei. Hoje, incluo também o ponto de vista de quem viaja com crianças. Gostaria de ter tempo para escrever mais, de me dedicar mais ao Turistando.in, mas ser professora, blogueira, mãe, esposa, filha, irmã e tia não é uma tarefa fácil! rsrsrsrsrs