Quer viajar? Comece por tirar a bunda do sofá

Beneth, o autor do blog 'Tire a bunda do sofá' tem imensas aventuras para lhe contar, assim como a sua opinião sobre ficar hospedado em hostels

1. Olá, Beneth. Pelo nome do seu blog percebo que não gosta de ficar sentado no sofá (rsrs). Como começou isso?

Apesar de não ter muitos recursos na época, desde pequeno meus pais sempre me levaram para viajar, mesmo que fossem lugares relativamente próximos, como as praias do norte de Santa Catarina por exemplo. Acho que assim fui criando o gostinho por viagens. Em 2012 fiz minha primeira viagem internacional, que intensificou isso, e em 2013, meu primeiro mochilão, para o Uruguai. Foi nesse mochilão que eu realmente descobri a paixão por viajar. Desde então venho tirando a bunda do sofá sempre que posso.

Punta del Este, no primeiro mochilão no Uruguai

2. Vi no seu blog que tem lá a sua bucket list. Qual vai ser a sua próxima experiência para riscar mais uma coisa da sua lista?

Atualmente estou em uma viagem de longo prazo, na qual vou percorrer todo o Brasil de carro, durante 2 anos aproximadamente. Com isso vou riscar o item de visitar todos os estados brasileiros, mas durante a viagem pretendo riscar mais alguns, como por exemplo aprender a surfar, mergulhar, saltar de paraquedas, e claro, visitar a Amazônia, que é o objetivo principal dessa viagem.

3. Vi que viveu em Marrocos durante 2 meses. Como foi a experiência? E já agora... viveu noutros sítios?

Passar todo esse tempo no Marrocos foi uma das experiências mais incríveis e enriquecedoras de toda a minha vida. Até o momento, o Marrocos foi o país que apresentou a maior diferença cultural, comparando com o Brasil e também os outros países que já visitei. Um dos grandes exemplos é o valor que eles dão à comida. Quando matam um animal, por exemplo, eles realmente aproveitam todo ele como alimento, e não desperdiçam, diferente do Brasil, onde muita comida é jogada fora.

Passeio pelo deserto do Saara, em Marrocos

Não posso dizer que já morei em outro país, mas tive algumas outras experiências de longo prazo em alguns, trabalhando como voluntário em hostels, assim como no Marrocos. Fiz isso em Montenegro, onde também fiquei dois meses e no sul da Itália, durante três semanas. Além disso, passei cerca de um mês viajando pela Espanha, quando também pude conhecer de perto a cultura do país.

4. Em que consiste o projecto Brasil e a palestra Tire a bunda do sofá?

O Projeto Brasil e a Palestra Tire a Bunda do Sofá são duas coisas que nasceram separadas, e foram unidas para um propósito ainda maior. O projeto foi criado com o meu sonho de conhecer todo o Brasil e as diferenças culturais que existem entre cada região. A palestra surgiu com a vontade de espalhar para o maior número de pessoas possível, essa cultura de sair da zona de conforto, que eu acho fantástica. A palestra é motivacional e muito provocante, eu diria. Tento com ela, fazer com que as pessoas acordem e saiam da inércia, que comecem a buscar seus objetivos e sonhos, e vivam de verdade. Além disso, é uma palestra beneficente, que arrecada alimentos como entrada dos participantes, e depois são doados para instituições carentes.

O Projeto Brasil veio depois da palestra, e então eu decidi unir os dois. Sendo assim, vou viajar pelo Brasil fazendo a palestra Tire a Bunda do Sofá, e desse jeito, além de tirar as pessoas da zona de conforto, eu ainda faço um papel social levando alimento para quem mais precisa, em todo o país.

5. Quando viaja, costuma ficar hospedado em hóteis ou hostels? Qual a sua opinião quanto a hostels?

A primeira vez que me hospedei em hostels foi nessa viagem para o Uruguai. Fiquei fascinado com esse modelo de hospedagem e desde então procuro ficar somente em hostels, ou também com pessoas através do Couchsurfing. Na minha opinião, ficar em hostel transforma a viagem em uma experiência muito mais completa, te colocando muito mais perto do dia a dia do lugar em questão. Uma verdadeira imersão na cultura local.

Pessoas que conheceu no hostel

Costumo dizer que a grande diferença entre hotel e hostel é a seguinte: Em hotel você é tratado como cliente, muitas vezes até de má vontade, e você interage muito pouco com outras pessoas, se é que isso acontece. Em hostel, você é recebido como amigo, o que te faz se sentir em casa. Esse pra mim esse é o grande fator que me puxa para os hostels, já fiz excelente amigos dessa maneira, os quais mantenho contato até hoje.

6. Para finalizar, tem intenções de ir ao continente asiático?

Sem dúvida! A Ásia é um dos lugares que mais quero conhecer, principalmente pela enorme diferença cultural que existe entre o continente e o Brasil, sem falar das incríveis belezas naturais que tem por lá. Não tenho algo concreto ainda, mas tenho a ideia de, terminando essa viagem pelo Brasil, quem sabe mudar para a Tailândia por um tempo, e assim explorar todo o continente.

Blog: www.tireabundadosofa.com.br